A Cruz Vazia e o Túmulo Vazio

 Misteriosa intervenção de Deus


 “Os dois símbolos cristãos absolutamente centrais são a cruz e a ressurreição.”  (Paul Tillich)


A cruz vazia e o túmulo vazio apontam para dois grandes eventos da história do cristianismo. Sem estas duas marcas o cristianismo não passaria de mais um credo religioso, sem qualquer influência ou poder transformador nas vidas dos homens.

Sem a ressurreição a cruz de Jesus seria o símbolo da dor, do sofrimento e da morte; seria o símbolo de um martírio, e nada mais. Mas a ressurreição transformou a dor em alívio, o sofrimento em bem estar e a morte em vida. Neste fato está a prova da misteriosa intervenção de Deus para salvar a humanidade.

A cruz vazia e o túmulo vazio, ainda hoje, tem o poder de interferir na vida das pessoas, servindo de testemunho da manifestação do amor de Deus.

Como um povo que vive em função da cruz vazia e do túmulo vazio devemos proclamar que o nosso salvador não ficou pregado na cruz como um mártir vencido, pelo qual nutrimos um sentimento de piedade. Não, ele deixou a cruz vazia e embora tenha sido sepultado num túmulo bem fechado e bem guardado pelos guardas para que “nenhum cristão retirasse o seu corpo”, ele  deixou também  o túmulo vazio, porque ao terceiro dia ressuscitou e vivo está !

Que possamos viver sob a influência do poder manifestado na cruz e no túmulo vazios, porque nisto reside a vitória sobre o pecado e a certeza de que Cristo vivo está. Aleluia Jesus ressuscitou!

 Ruimar Siqueira Lopes, Pr.

 

A EXPERIÊNCIA MAIS EXTRAORDINÁRIA A SER VIVENCIADA

A experiência mais extraordinária a ser vivenciada por alguém é o amor de Deus. Não existe nada que possa ser comparado com a manifestação do amor de Deus na vida das pessoas. O amor de Deus precisa ser visto com os olhos do espírito e escutado com os ouvidos do coração. Muitos falam, cantam e dissertam, mas não sabem o que é o amor de Deus, porque não o experimentaram. A ausência de um conhecimento experimental do amor de Deus faz com que o próprio Deus seja tratado com banalidade.

Mesmo estando esse dom a disposição de todos, há no mundo, milhares de pessoas que vivem extremamente pobres e carentes deste tesouro precioso que é o amor de Deus. A Palavra de Deus afirma que esse amor é para todos, a saber: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. João 3.16. Na cruz, através de Jesus Cristo, Deus liberou a todos o seu amor, ou seja, a todos os que nele creem. Basta crer e receber Jesus como Senhor e Salvador, então o amor de Deus será experimentado, e uma vida abundante e plena começará fruir no interior daquele que crer.

Queridos. Vivemos um tempo de muita pobreza e miséria no mundo todo. Mas o pior estado de pobreza é a falta do amor de Deus. Muitos ricos materialmente estão pobres espiritualmente, porque não tomaram posse do amor de Deus, e muitos considerados pobres materialmente estão ricos, porque vivenciaram a experiência mais linda de todos os tempos que é o amor de Deus.

Que Deus abençoe, rica e abundantemente, você e sua família. Que todos vivam a experiência mais extraordinária que já se viu na historia de todos os tempos: o amor de Deus.

     Pr. Ruimar Siqueira Lopes

“PÃO E CIRCO PARA O POVO”

O Circo ainda tem, mas o pão, o hospital, a segurança e a educação estão acabando…
– Mas tem R$ 2 milhões para cada escola de samba e R$ 83 milhões da CEF para clubes de futebol.

A cena se repete e a minha tristeza também, quando vejo o estado de degradação ética moral e espiritual em que se encontra a nossa nação.

Quando vejo um circo após outro: jogos pan-americanos; copa do mundo; campeonato brasileiro; campeonatos estaduais: carnaval e olimpíadas;

Quando vejo todos estes circos, custeados a peso de ouro, para distrair a grande maioria dos brasileiros, que são os mais necessitados, mais desprotegidos e mais desprevenidos;

Quando vejo a prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro tirando da saúde, segurança e educação do povo e entregando R$ 2 milhões para cada escola de samba;

Quando vejo a Presidente da República tirando da saúde, segurança e educação do povo e entregando R$ 83 milhões de reais aos dez maiores clubes de futebol do país e ainda declarando que estes dez [endinheirados] clubes representa a paixão de muito brasileiros;

Quando vejo tudo isto entendo que tem gente pensando que saúde, segurança e educação se paga com samba, futebol e outras coisas;

Quando vejo tudo isto acontecendo, percebo que o circo ainda tem… o pão, o hospital, a segurança e a educação estão acabando, mas a honestidade, a ética, a moral e a justiça já acabaram há muito tempo, porque o pecado [aquele descrito na Bíblia sagrada] os consumiu.

E finalmente, quando olho para a Bíblia, entendo e vejo o retrato do Brasil: “A cabeça toda está ferida, todo o coração está sofrendo. Da sola do pé ao alto da cabeça não há nada são; somente machucados, vergões e ferimentos abertos, que não foram limpos nem enfaixados nem tratados com azeite. A terra de vocês está devastada, suas cidades foram destruídas a fogo; os seus campos estão sendo tomados por estrangeiros, diante de vocês, e devastados como a ruína que os estrangeiros costumam causar.” Isaías 1:5b-7

A nação brasileira está numa prisão; está doente do alto da cabeça a sola do pé.
A nação brasileira está precisando de libertação e cura!

Ruimar Siqueira Lopes, Pr.

NEM OS MAIORES OU OS MAIS FORTES, MAS OS MAIS FIRMES.

Vivemos um tempo de extrema necessidade de firmeza espiritual. Talvez, esse é o momento de toda história em que mais o crente precisa de firmeza na sua fé e no relacionamento com Deus, porque o Dia do Senhor está chegando e o inimigo de Deus e das pessoas de Deus e de tudo de Deus está em desespero. Não há dúvida de que este é um tempo de violentíssima guerra espiritual e só sobreviverão quem for firme.
No reino espiritual, o mais importante não é ser o maior ou o mais forte, mas é ser o mais firme, porque ser o maior ou o mais forte nem sempre significa ser firme. No confronte entre Gideão [Israel] e os midianitas ficou claro que quem prevaleceu não foi o maior e o mais forte, mas foi o mais firme.
Nós não precisamos ser os maiores, os melhores ou os mais fortes, mas precisamos ser os mais firmes. Para isto, a nossa vida espiritual precisa está bem edificada, sobre a rocha que é Jesus, porque quando vierem os revezes e os ataques dos malignos midianitas modernos, esse fundamento chamado Jesus nos valerá e nos fará firmes e capazes, não só de suportar o mal, mas de vencê-lo.
Louvado seja Deus que em Cristo nos transforma de frágeis pecadores em firmes vencedores.
Quero convocar você que está no olho do furacão, no meio de uma terrível batalha, a firmar-se em Cristo, levantar a sua cabeça e tomar a decisão de parar de sofrer e sair para vencer.
Hoje é o dia que o Senhor me permitiu escrever isto para você que, mesmo achando-se o menor e o mais fraco, pode ser o mais firme e vencer como Davi venceu!

LEVANTA-TE AGORA!

“Sabemos que somos de Deus, e que o mundo inteiro jaz no Maligno.” (I João 5. 18). O mundo está doente, do alto da cabeça a sola dos pés. O pecado está corroendo as nações, como diz Deus, em Isaías 1. 6,7: “Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e inchaços, e chagas podres não espremidas, nem ligadas, nem amolecidas com óleo. A vossa terra está assolada, as vossas cidades estão abrasadas pelo fogo; a vossa terra os estranhos a devoram em vossa presença; e está como devastada, numa subversão de estranhos.”. Ninguém é poupado, mas Deus tem mais que uma palavra, Deus tem uma ordem para os seus, cujo conteúdo se resume numa só palavra: LEVANTA-TE!

Pela boca do profeta Deus exige do seu povo que se levante em tempo de desafios e de guerra: “Levanta-te, resplandece, porque vem a tua luz, e a glória do SENHOR vai nascendo sobre ti; Porque eis que as trevas cobriram a terra, e a escuridão os povos; mas sobre ti o Senhor virá surgindo, e a sua glória se verá sobre ti.” (Isaias 60. 1,2).
O profeta está declarando que, todas as formas de manifestações das trevas no mundo devem ser vencidas com a luz que Deus colocou sobre o seu povo, Israel.
É isto que o Senhor quer para nós hoje. Que a luz da sua glória paire sobre nós e propague-se sobre toda a terra.
As trevas que cobrem a terra não podem prevalecer sobre a vida de um filho, de uma filha de Deus.
LEVANTA-TE AGORA! Você que está sobre pressão, debaixo do fogo da tentação.
LEVANTA-TE AGORA! Você que está cercado por agentes do inferno!
LEVANTA-TE AGORA! Você que pensa que perdeu a batalha!
LEVANTA-TE AGORA! Porque “sobre ti o Senhor virá surgindo, e a sua glória se verá sobre ti”.
Esta é a mensagem que Deus colocou e meu coração para compartilhar com quem tenha um grão de fé. LEVANTA-TE AGORA!

Ruimar Siqueira Lopes, Pr.

O EU, AMANTE DE SI MESMO – Ainda há tempo de cura

                    É fato que nunca existiu um justo, nem sequer um. “Não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque, (…) Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.” (Romanos 3:10, Eclesiastes 7:20 e Romanos 3:23).

                  As Sagradas Escrituras afirmam que o passar dos tempos e o aproximar da vinda de Cristo faz aumentar o número das pessoas amantes de si mesmas que, por consequências, são avarentas, presunçosas, soberbas, blasfemas, desobedientes a pais e mães, ingratas, profanas (2 Timóteo 3.2).
Assim, cada dia mais, se verifica a multiplicação do amor a si mesmo no lugar do amor Deus, que é a marca do pecado no homem.

              O profeta Isaías descreveu o estado da pessoa soberba, amante de si mesma, como alguém gravemente enferma, com as seguintes palavras:

“Toda a cabeça está enferma e todo o coração fraco. Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e inchaços, e chagas podres não espremidas, nem ligadas, nem amolecidas com óleo.” (Isaías 1.5a,6)

                    Existem sinais evidentes desta enfermidade na igreja no Brasil e no mundo.

                  Basta observar o estilo de vida do povo que se chama pelo nome de Deus, a começar por homens ostentando o título de pastor e profeta, mas com toda a cabeça enferma e todo o coração fraco, comprometidos desde a planta do pé até a cabeça com certos movimentos, grupos e esquemas, conhecidos de todos como radicalmente contrários aos princípios divinos e que odeiam e perseguem a igreja de Deus. Tais cristãos e sacerdotes defendem mais as causas dos ímpios do que as dos seus irmãos. São pessoas amantes de si mesmas presunçosas, soberbas, ingratas, blasfemas e que precisam, com urgência de arrependimento, libertação e cura.

              Ainda há tempo de cura. Esta cura precisa acontecer, primeiro, em cada discípulo de Jesus, o que inclui a igreja e, só então, alcançar os outros.

        Que venha sobre a igreja de Jesus um peso dobrado de santidade para que então haja compromisso e fidelidade para com Deus.

Ruimar Siqueira Lopes, Pr.

O QUE FAZER DEPOIS DA OVERDOSE ?

             O brasileiro, de uma forma geral, tem uma “paixão” extremada pelo futebol e é por causa disto que se entrega, de forma exagerada, ao esporte, colocando-o, quase sempre, no lugar que pertence a Deus. Nada de errado em gostar, assistir e praticar futebol. Errado sim é viver subjugado, controlado, dominado, acorrentado e refém do futebol. Nisto se aplica o ensino do apóstolo Paulo quando declarou: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas; mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.” (I Coríntios 6. 12) .

                Mas como não se deixar dominar quando se permite ser submetido a uma overdose de algo que tem o poder de um alucinógeno?
O que fazer se o futebol e (outras coisas) que produz um prazer, mesmo que imediato, são utilizados como entorpecentes e tira o foco do povo de nossas reais necessidades e capacidade de discernir?

                  O que fazer depois dessa overdose e saber que, a debilitada “pátria amada”, dentro de alguns dias começa a viver uma crise de abstinência e uma vontade de voltar a experimentar esse prazer que pode conduzir a outras overdoses?

                  Pelo menos três atitudes devem nortear a conduta do crente, do discípulo de Jesus:

 

1ª – Submeter-se aos princípios do Evangelho “…evangelho, … é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê….” – (Romanos 1:16);

2ª – Fazer tudo para a Glória de Deus. “…., quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer [ inclusive assistir e praticar o futebol], fazei tudo para a glória de Deus. (1 Coríntios. 10:31);

3ª – Espírito de moderação. “Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação” ( 2 Timóteo 1:7);

Que possamos continuar sendo sal da terra e luz do mundo, porque esse é o nosso maior desafio dado por Deus.

Ruimar Siqueira Lopes, Pr.

O JEJUM QUE TRAZ VITÓRIAS

O Jejum consiste num princípio espiritual para trazer vitórias sobre o diabo, que se manifesta, na família, na sexualidade, nas finanças, nos relacionamentos, no trabalho, nos estudos, no corpo travestido de doenças, e de várias outras formas. Mas Deus considera transgressão a realização de jejum sem um posicionamento espiritual correto. Deus ordenou ao profeta Isaias que clamasse contra isto: “CLAMA em alta voz, não te detenhas, levanta a tua voz como a trombeta e anuncia ao meu povo a sua transgressão, e à casa de Jacó os seus pecados.” (Isaias 58.1)
O Jejum que traz vitórias precisa estar embuido de sinceridade. Não adianta procurar Deus para cultuá-lo, disfarçando prazer, como quem pratica a justiça e mas que se aparta das leis do Senhor. ”Todavia me procuram cada dia, tomam prazer em saber os meus caminhos, como um povo que pratica justiça, e não deixa o direito do seu Deus; perguntam-me pelos direitos da justiça, e têm prazer em se chegarem a Deus,” (Isaias 58.2)
O jejum que traz vitórias tem o objetivo de agradar a Deus. É um erro priorizar o próprio contentamento, pois o alvo do jejum é mobilizar os céus com uma fé incondicional, para que haja liberação de poder e vitória sobre o mal. “ Dizendo: Por que jejuamos nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais achais o vosso próprio contentamento, …” (Isaias 58.3a).
O jejum que traz vitórias vem do coração que dá primazia a Deus. É um tempo em que o coração dá primazia, prioridade e atenção especial a Deus, mesmo estando em ação, inclusive no trabalho ou estudos, todas as demais coisas tornam-se secundárias. “…e requereis todo o vosso trabalho.” (Isaias 58.3b).
Decidir! Este é o chamado para aquele que ainda não se integrou a esta campanha de fé. Perseverar é a ordem para hoje! Nunca desistir de exercitar fé e viver os milagres de Deus.
Enquanto estamos envolvidos nesta Corrente de Jejum e Oração, um mover no mundo espiritual está acontecendo e breve colheremos as vitórias prometidas para aqueles que se dedicam a esta Campanha de Fé.

Ruimar Siqueira Lopes, Pr.

PENTECOSTES

No Antigo Testamento encontramos três festas (Êxodo. 23.14-17; 34.18-23): a primeira é a Páscoa, a segunda é a Festa das Colheitas ou Semanas que, a partir do domínio Grego, recebeu o nome de Pentecostes; a terceira festa é a Festa dos Tabernáculos ou Cabanas.
A liturgia mais desenvolvida dessa festa encontra-se em Levítico 23.15-21. Porém, Deuteronômio 16.9-15 mostra uma outra liturgia que reflete um diferente período e, conseqüentemente, um novo ambiente de celebração.

Características da celebração
– A Festa que recebeu o nome de Pentecostes era alegre e solene (Dt 16.11);
– A celebração era dedicada exclusivamente a Javé (Dt 16.10);
– Era uma festa aberta para todos os produtores e seus familiares, os pobres, os levitas e os estrangeiros (Dt 16.11). Enfim, todo o povo apresentava-se diante de Deus. Reconhecia-se e afirmava-se o compromisso de fraternidade e a responsabilidade de promover os laços comunitários, além do povo hebreu;
– Agradecia a Deus pelo dom da terra e pelos estatutos divinos (Dt 15.12);
– Era uma “Santa Convocação”. Ninguém trabalhava (Lv 23.21);Era celebrado o ciclo da vida, reconhecendo que a Palavra de Deus estava na origem da vida ” da semente ” da árvore ” do fruto ” do alimento ” da vida…

Pentecostes não é o nome próprio da segunda festa do antigo calendário bíblico, no Antigo Testamento (Êxodo 23.14-17; 34.18-23).

Pentecostes é uma festa adotada pelo Cristianismo. Em primeiro lugar, a palavra festa (hag, no hebraico) significa fazer um círculo. Isso revela o sentido primitivo de festa, isto é, uma reunião comunitária (Êx 5.1). Nela, o povo celebrante reunia, especialmente, para estudar os textos sagrados que, mais tarde, viriam a ser a Bíblia. Em segundo lugar, o nome Pentecostes vem da língua Grega e significa cinqüenta dias depois, a saber, da festa da Páscoa. Originalmente, esta festa possuía três nomes hebraicos: festa das Semanas, festa das Colheitas ou Dia das Primícias. Estes três nomes revelam um pouco do conteúdo da festa: era agrícola e situada no período das colheitas. A troca de nome para Pentecostes deu-se a partir do período grego (333-63 anos antes de Cristo), quando a Grécia dominou culturalmente o mundo. O mais primitivo motivo desta festa foi gratidão a Deus pelo dom da terra. Posteriormente, o povo bíblico incorporou o motivo de gratidão pela doação da Torá (450 anos antes de Cristo). A Torá é a instrução divina por excelência, contida no Pentateuco (cinco primeiros livros da Bíblia). Provavelmente, a festa de Pentecostes, descrita em Atos dos Apóstolos 2, celebrava a doação da Torá. Os salmos 19 e 119 mostram que a manifestação do Espírito Santo está diretamente relacionada ao estudo da Torá.

Pelas estas razões, a igreja de hoje que deu o seu primeiro passo no Pentecostes, quando recebeu o Espírito Santo, não pode deixar de observar esta festa.
Celebremos o Pentecostes!
Ruimar Siqueira Lopes, Pr.

Adaptação do excelente estudo de autoria do Prof. Tércio Machado Siqueira, professor de Antigo Testamento.

ARENA – “Pão e circo para o povo”.

A arena é a versão moderna de Coliseum, anfiteatros construídos pelo imperador romano Tito Flavio Sabino Vespasiano, cujo lema de governo era “Pão e circo para o povo”.

Arena é o nome dado aos sofisticados estádios de futebol construídos para a realização da copa do mundo de futebol. É a versão moderna de Coliseum, anfiteatros construídos pelo imperador romano Tito Vespasiano, pelos idos do ano 69 D.C. A ideia era promover espetáculos entre gladiadores para divertir o povo, enquanto pão era distribuído.

No latim Panem et circenses (ludos) que significa pão e jogos circenses veio desaguar na expressão pão e circo. O lema era – “Pão e circo para o povo”.

No nosso caso, os circos já temos, as ARENAS. O pão ainda não chegou. Mas só as arenas já são suficientes para distrair e enganar o povo, tirando-o do foco e fazendo-o esquecer, provisoriamente, as suas necessidades.

Precisamos considerar os acontecimentos e admitir que o que está acontecendo não agrada a Deus. Qualquer cristão, que tenha um pouco de conhecimento da Palavra sabe que Deus não tem comunhão com o que está acontecendo.

Observemos alguns fatos: São milhares de pessoas passando toda sorte de necessidade, vivendo injustiçadas, à custa de desvios de prioridades; existe uma série de ações contra o povo de Deus; a igreja e o nome santo de Deus e seus valores sendo escarnecido diariamente. E tantas outras mazelas que são do conhecimento geral.

O Brasil precisa boas escolas, bons hospitais, boa segurança e bons serviços públicos e até de templos em vez de arenas.

Certamente, Deus não aprova o que está acontecendo. Como seu povo, precisamos levantar nossa voz profética para anunciar a salvação do Senhor e conclamar a nação para que volte-se para Deus.

Precisamos orar muito pelo Brasil. Perseveremos na oração e jejum em favor da nossa pátria.

                                                                      Ruimar Siqueira Lopes, Pr.

*Texto elaborado a partir de uma correspondência que recebi sobre o assunto.